28 de janeiro de 2009

Os estranhos


Por vezes sinto-me um estranho dentro do meu próprio corpo. Existem momentos em que não me conheço.
Certas atitudes que tenho, certos comportamentos, certas necessidades, certas cobardias, certas injustiças que cometo… todas estas peripécias me fazem sentir um autêntico estranho.
Depois revolto-me, é claro que me revolto. Quantas vezes dou por mim a interrogar-me o porquê de ter feito isto ou aquilo e, por muitas voltas que dê à minha simplória cabeça, não encontro justificação para tal.
Quando faço algo que acho ser errado, tento mais tarde reflectir sobre isso e, como não podia deixar de ser, arrependo-me. O que é extremamente estranho é que passados alguns dias estou, novamente, a cometer esse erro. E cometo-o vezes sem conta. E arrependo-me vezes sem conta. Depois tenho medo que alguma força superior me possa vir a castigar por isso. Durante alguns momentos morro de medo. Estranho é que esse medo vai desaparecendo e volto ao começo, novamente a cometer uma injustiça, um erro, uma covardia, uma prevaricação… sou realmente um ser muito estranho.

E desse lado, alguém se identifica um pouco (ou mesmo muito) com esta minha estranheza?

ASS: Diferente

11 Comentários:

Blogger Daniel Silva (Sair das Palavras) disse...

HUm... depende do teu comportamento... és assim tao mau?;)

Não há mal em errar (pois somos humanos); o mal é reincidir no erro, ou seja, voltar ao mesmo com intenção, conscientes de que estamos no mesmo. Mas depende depende do "erro"...

Terias de falar sobre quais as atitudes ou comportamentos para que eu pudesse responder melhor.

May the force be with you :)

28 de janeiro de 2009 às 17:06  
Blogger Valentim Oliveira disse...

Sim!!!! Acho mesmo que és diferante em tudo.,,,

28 de janeiro de 2009 às 20:11  
Blogger Ana Paixão disse...

É o primeiro texto deste blog onde posso dizer assim "Ok, já sei o que o autor disto tudo sente".


Respondendo á tua pergunta..Sim! Todos nós temos atitudes que ás vezes não entendemos, que vão contra as nossas ideias e objectivos...e todos nós erramos e voltamos a errar mais 100 vezes... até que um dia se aprende de vez ;)

28 de janeiro de 2009 às 20:51  
Blogger Sonia Schmorantz disse...

É preciso, pelo menos uma vez na vida,
ser o último a deixar a festa...
Dispensar os convidados antes de chegar a aurora.
Exorcizar os aposentos com galhinhos de arruda.
Desligar o som, fechar janelas e cortinas,
desenlaçar os reposteiros,
varrer da memória a algazarra das crianças
na calçada...
Dissipar o perfume das adolescentes.
Dispensar as frivolidades dos últimos abraços.
Recolocar no jarro aquela rosa
que esqueceram sobre a mesa.
E, finalmente, quando a noite
trouxer de volta o silêncio numeroso,
apagar definitivamente a luz...
Depois dormir...
Sonhar...
Despertar...
Viver... Viver...
Depois dormir...
E morrer... Como quem morre
definitivamente...
Para não incomodar
ninguém...

A. Estebanez

Um abraço

30 de janeiro de 2009 às 00:50  
Blogger UMA PAGINA PARA DOIS disse...

O orvalho cobre
as flores da manhã,
gotículas frescas
e o alvorecer
da rosa de porcelana,
quando o júbilo
se inventa
numa única palavra dita
e o aroma nos liberta.
(Paula Raposo)

Tenha uma sexta feira linda com muito amor...
Abraços

30 de janeiro de 2009 às 03:36  
Blogger Toni Almeida disse...

Errar é humano..não reconhecer os nossos erros é mais complicado..
Tu és capaz disso, como tal para mim és perfeitamente normal..
Fica bem

30 de janeiro de 2009 às 11:59  
Blogger *Lisa_B* disse...

Como ja foi dito errar é humano agora depende do que se faça repetidamente mal e se reinicie...por ex magoar deliberadamente uma pessoa nos seus sentimentos ou agredir alguém são erros que não podemos nos dar o direito de fazer contra terceiros...

Existem erros ou faltas, quando faltas são mais leves e não assumimos muito. Se erros, é preciso analisar e se preciso recorrer a um psicólogo que ajude a compreender os porquês. Depende da gravidade do erro em questão como já disse.

Desejo a paz de espírito que lhe está a fazer falta nesse sofrimento.

3 de fevereiro de 2009 às 10:20  
Blogger Daniel Silva (Sair das Palavras) disse...

Olá

Passa no meu blogue e aceita o desafio.

Obrigado.

Abraço ***

9 de fevereiro de 2009 às 20:28  
Blogger Francisco Vieira disse...

Amigo, as coisas que nos dão mais prazer, são as proibidas...
Por vezes sente-se culpado porque lhe ensinaram que isto ou aquilo não se deve fazer. Vivemos numa sociedade de "publicas virtudes e vícios privados", onde os que mais nos apontam o dedo, são os que mais erram.
É certo que devemos ao próximo o respeito e se cumprirmos essa regra sagrada, não temos que sentir remorsos por nada.
Um abraço

13 de abril de 2009 às 12:24  
Anonymous Anónimo disse...

Se alguém não se identificar é sinal que não é gente, que não pensa, nem quererá conhecer-se e dificilmente evoluirá.
Dina V.

5 de maio de 2009 às 00:40  
Blogger Tobias disse...

eu sim .. acontece-me algumas vezes, cometer erros e mais erros, muitas e muitas vezes, ate um dia , perceber, que ja o cometi , milhentas vezes, e que me arrependi , outras milhentas.. mas que por fim , esse erro , me fez crescer e aprender.. mas isso ,vai continuar a acontecer, ate um dia, eu deixar ,de viver.. e penso que não devera ser so a mim ..

28 de julho de 2009 às 01:47  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial