23 de abril de 2009

Poema à Liberdade... (a dos outros)

Queria libertar-me e não consigo
Desta preocupação que me consome!
Eterno pesadelo e mal antigo,
Lume tambor e grito em minha fome

Dentro de mim há multidões gritando
Famintas de justiça, paz e amor!
Sempre os outros por quem eu vou lutando...
Como dói ser poeta e sonhador!

Existe um muro alto onde não chego
A emparedar-me o sonho e a razão...
Não é jamais possível ter sossego
Enquanto me pulsar o coração...

Sei que arrisco demais, que é ousadia
Mas cumpro o meu destino como devo!
Se esta preocupação me contraria,
É por ela que eu luto e que eu escrevo!

TENHO POR ARMA O CANTO DA POESIA
ACESO EM MINHA VOZ E NOS MEUS VERSOS!
MAS DE QUE SERVE A MINHA TEIMOSIA?
SE EM VEZ DE UM UNIVERSO HÁ UNIVERSOS!
ASS. Diferente
Viva o 25 de Abril

4 Comentários:

Blogger Daniel Silva (Lobinho) disse...

"Existe um muro alto onde não chego
A emparedar-me o sonho e a razão...
Não é jamais possível ter sossego
Enquanto me pulsar o coração...

"Sei que arrisco demais, que é ousadia
Mas cumpro o meu destino como devo!
Se esta preocupação me contraria,
É por ela que eu luto e que eu escrevo!

... E depois terminas:
"DE QUE SERVE A MINHA TEIMOSIA?
SE EM VEZ DE UM UNIVERSO HÁ UNIVERSOS?"


Mais uma vez o meu sonoro aplauso, ou de como conseguiste homenagear o 25 de Abril de forma completamente criativa.

Parabéns.

Gosto de ti.

Abraços :)
"

23 de abril de 2009 às 20:51  
Blogger Francisco Vieira disse...

Homenageiem-se os Capitães de Abril, mas que não se cruzem os braços à infâmia actual.
Passaram 35 anos e o pão continua a ser pouco. O povo continua a ser desnudado dos seus direito fundamentais como a saúde, a educação e a justiça...
Que não se ceda ao comodismo e à resignação. Tornem-se a "atirar cravos" se for necessário!
Hajam hoje, como antes, heróis que ponham termo à incompetência, ao abuso de poder e à corrupção que nos atrofia como país e como cidadãos.

Como sempre, maravilhoso

Um abraco

Francisco

24 de abril de 2009 às 17:48  
Blogger Kim disse...

É isso! E a riqueza está onde a gente a quiser ver.
Abraço

26 de abril de 2009 às 19:44  
Blogger Osvaldo disse...

Caro "Diferente";

Este é um poema "diferente" sobre o 25 de Abril, mas confesso que gostei...
Mostra bem a realidade e a deturpação que foi dada através dos anos em que o significado do mesmo foi alterado d'acordo com os interesses das forças políticas...

Para mim, hoje o 25 da Abril não existe, porque ele morreu logo após que os capitães (os grandes heróis) entregaram de mão beijada a todos os abutres que se escondiam no estrangeiro e nada fizeram pela liberação do país. Foi a partir desse momento, que para mim, o 25 de Abril deixou de ter significado algum.

Um abraço, caro amigo.
Osvaldo

27 de abril de 2009 às 06:45  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial