15 de novembro de 2009

família...

Minha mãe é dor, meu pai sofrimento
Como poderei eu deixar de os amar?
Aqueles que me deram o lamento,
Que me ensinaram o que é chorar!

Reneguei-os eu, mesmo sem pensar
À deriva andei sem um firmamento
Não mais aguentei, tive que voltar
Perdoaram-me o acontecimento.

Prometeram nunca me abandonar,
Estarão comigo em qualquer desgraça,
Os dois sempre me irão acompanhar!

Bafejado fui por dupla desgraça
Forte me tornei se quis continuar
Se nasci dos dois, que querem que eu faça?

ASS: Diferente



11 Comentários:

Blogger walter disse...

Olá amigo!
Muito me emocionei com este poema... lembrei de meu pai que já partiu...
Não sei mais que falar, apenas que uma lindíssima homenagem prestaste àqueles que mais amamos: os nossos pais.

Tem um bom domingo
abraço

15 de novembro de 2009 às 13:03  
Blogger Sonhadora disse...

Lindo poema...nunca é demais homenagear os nossos pais...gostei muito
Beijos
Sonhadora

15 de novembro de 2009 às 17:48  
Blogger direitinho disse...

Gostei do teu poema.
Tem as medidas todas certas. Está perfeito.
Acredita que nunca vi os meus pais assim.
És capaz de ter razão.
O sofrimento do pai e a dor da mãe. Conjugaste o masculino e o femenino na perfeição.
Um abraço

15 de novembro de 2009 às 21:22  
Blogger Francisco Vieira disse...

Boa tarde! Vale sempre a pena esperar por ti, que te saia algo assim, maravilhoso. Mais um grande poema. Parabens.
Abraco, Francisco

16 de novembro de 2009 às 13:01  
Blogger ~~º~~ Leonor~~º~~ disse...

Triste sim, mas lindo.
Porque temos a mania de encontrar beleza nas coisas tristes.
Beijinho de luz em seu coração

16 de novembro de 2009 às 17:08  
Blogger Graça Pereira disse...

Com a qualidade e a emoção que já nos habituaste! Benditos pais que têm um filho assim... Virei sempre...tu sabes!
Um beijo amigo
Graça

16 de novembro de 2009 às 21:29  
Blogger Laurita disse...

Olá meu querido, homenagem ao amor, bendito/a quem a pode fazer. É meu querido há quem nunca tenha tido... mãe... eu não. Beijócas com carinho

17 de novembro de 2009 às 22:51  
Blogger ParadoXos disse...

poderosamente forte - um texto que nem precisava de palavras pra ser bom!!


abraço

20 de novembro de 2009 às 18:58  
Blogger Silvana Nunes .'. disse...

Salve !
Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog cheguei até você e gostei do que vi. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da telinha está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar um pouco mais de cuidado, mas em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em
http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Com amor, toda criança será confiante e segura como um rei, não se violentará para agradar os outros e será afinada com o próprio eixo. E se transformará num adulto bem resolvido, porque a lembrança da infância terá deixado nela a dimensão da importância que ela tem.
VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO, NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR !
Se achar a minha proposta coerente, siga-me nessa luta por um mundo melhor. Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois vez por outra o comentário entra com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero queentenda quando não puder visitá-lo.
Daqui onde estou, os únicos sons que escuto aqui é o dos pássaros, grilos, micos., caipora, saci pererê, a pisadeira, matintapereira ... e outras personagens que vivem pela mata.
Por hoje fico por aqui, já escrevi demais. Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !
Silvana Nunes.'.

21 de novembro de 2009 às 18:21  
Blogger Miguel Ribeiro disse...

belissimo ... identifiquei-me bastante.... parabens!

22 de novembro de 2009 às 22:10  
Anonymous Anónimo disse...

Deveria ter dito que foi inspirado na musica Warum So Tief do Lacrimosa

:)

23 de novembro de 2009 às 07:49  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial